Anaspra - Criada em 14/09/2007, possui o objetivo de estruturar um processo de permanente e eficaz reivindicação junto ao Governo Federal, bem como o poder judiciário.

LINK
Ter 02, 2017

A ANASPRA - associação que representa os praças do Brasil (soldado, cabo, sargento e subtenente) - apresenta p

Continue...
LINK
Ter 02, 2017

Cinco mil policiais de todo o país vão se reunir nesta quarta-feira, dia 8 de fevereiro, às 13h30, em frente ao Mi

Continue...
LINK
Ter 02, 2017

Em encontro realizado na terça-feira, 06/02, em Brasília, diretores da Associação Nacional de Praças reuniram-se

Continue...
LINK
Qua 12, 2016

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (20) a renegociação das dívidas dos estados com a

Continue...
LINK
Ter 02, 2017

A ANASPRA - associação que representa os praças do Brasil (soldado, cabo, sargento e subtenente) - apresenta p

Continue...
LINK
Ter 02, 2017

Cinco mil policiais de todo o país vão se reunir nesta quarta-feira, dia 8 de fevereiro, às 13h30, em frente ao Mi

Continue...
LINK
Ter 02, 2017

Em encontro realizado na terça-feira, 06/02, em Brasília, diretores da Associação Nacional de Praças reuniram-se

Continue...
LINK
Qua 12, 2016

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (20) a renegociação das dívidas dos estados com a

Continue...

 

A ANASPRA - associação que representa os praças do Brasil (soldado, cabo, sargento e subtenente) - apresenta publicamente seu apoio e solidariedade aos policiais e bombeiros militares do Estado do Espírito Santo e ao movimento das esposas e familiares que protestam por melhores condições de trabalho e salariais, a fim de oferecer uma serviço de segurança pública de melhor qualidade à população.

 

A categoria reivindica direitos básicos como reposição salarial, pagamento de auxílio-alimentação e plano de carreira. Atualmente, o salário médio do policial e bombeiro militar no Espírito Santo é de R$ 2.750 um dos piores salários do Brasil.

 

A ANASPRA também lamenta a posição das autoridades do Espírito Santo, tanto do Executivo, do Legislativo e do Judiciário, por permitir que a situação salarial dos profissionais da segurança pública chegasse a um nível tão alarmante. Além de não abrir negociação com os representantes da categoria e partir diretamente para uma briga judicial, criminalizando os representantes das classes e suas associações. A ANASPRA repudia a utilização desse expediente, na medida em que nega a organização legítima da classe e não soluciona o problema. Ao contrário, piora a situação.

 

A ANASPRA insiste para que o governador abra um canal de negociação com os policiais e bombeiros militares - além de suas esposas e familiares - a fim de encontrar uma solução pacífica e negociada para pôr fim ao movimento. Afinal, é hora de ajudar quem sempre esteve ao lado da população.

 

Por fim, a ANASPRA conclama à população e à sociedade organizada do Espírito Santo para se manifestar a favor do movimento e oferecer todo tipo de apoio. E, do governo, esperamos que aja no sentido de resolver a situação o mais breve possível, abrindo diálogo com os representantes legitimados, com o intuito de amenizar o sofrimento da população.

Cinco mil policiais de todo o país vão se reunir nesta quarta-feira, dia 8 de fevereiro, às 13h30, em frente ao Ministério da Justiça para protestar contra a PEC 287/16. A proposta de emenda constitucional em tramitação no Congresso pretende retirar da Constituição Federal o artigo que reconhece a atividade de risco dos profissionais de segurança pública nos critérios de concessão da aposentadoria. A Associação Nacional de Praças (Anaspra), como principal representante dos praças do Brasil, vai participar ativamente da atividade.

Por meio de carro de som, faixas e um cemitério montado no gramado do Congresso, as 32 entidades que integram a União dos Policiais do Brasil pretendem chamar a atenção das autoridades sobre a ameaça à sociedade que é ter uma polícia cada vez mais envelhecida nas ruas. Pelas novas regras, para obter aposentadoria integral, o policial terá de contribuir por 49 anos, aposentando-se próximo aos 70 anos de idade, o que excede a previsão de expectativa de vida da categoria.

No Brasil, morrem mais policiais do que no resto do mundo. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2016, entre 2009 e 2015 foram 2.543 policiais mortos, número que não encontra similar em nenhum outro país do mundo. O número de policiais assassinados no Brasil em um único ano é equivalente às mortes de policiais na Inglaterra em 98 anos. Já, nos Estados Unidos, morreram 41 policiais em serviço no ano de 2015, contra 91 no Brasil, ou seja, mais que o dobro.

A manifestação “Dia Nacional em Defesa da Aposentadoria dos Profissionais de Segurança Pública” vai acontecer simultaneamente em todos os estados da federação. Haverá paralisação das atividades em Alagoas, Pará, Acre e Sergipe.

UPB
A União dos Policiais do Brasil congrega 32 entidades representativas de profissionais de segurança pública do país, totalizando cerca de 1 milhão de profissionais. Ela foi criada para lutar contra o descaso do Governo Federal que desconhece as peculiaridades dos profissionais de segurança pública.